As Primeiras Impressões Sobre o Sistema de Conversão Neptune Art Lens: Giacomo Favilla

2017-06-19

Giacomo é um fotógrafo italiano e realizador. Para além do seu trabalho profissional para marcas famosas, também gosta de realizar projectos pessoais onde explora diferentes tópicos e expressa o seu humor.

Nós deixá-mo-lo experimentar o Sistema de Conversão Neptune Art Lens, que ele usou para fazer um video nocturno e experimental, assim como uma sessão fotográfica muito interessante. Vamos conhecê-lo um pouco mais e ler as suas primeiras impressões sobre este sistema art lens para criação de vídeos e fotografia.

Olá! Fala-nos sobre o teu percurso na fotografia e na realização de filmes?

Olá Lomography! Inicei-me num estúdio de produção de vídeos na Toscana há 14 anos. Depois mudei-me para Londres e trabalhei como fotógrafo de moda freelancer durante dois anos. O próximo passo foi em 2011, quando me mudei para Milão e abri um estúdio. Comecei a colaborar com clientes como Google, Heineken, Kartell e Fendi, da qual eu tenho feito vídeos há mais ou menos quatro anos. Por outro lado, desde 2013 que também me acompanho num caminho artístico e pessoal. Trata-se de projectos desvinculados de decisões externas, mas nascidos de colaborações e encontros que tive com directores de arte, gráficos e artesãos seja na Itália seja no exterior. Deste modo, as imagens que estão conectadas ao rosto humano e ao conceito de identidade ganham vida. Tive a oportunidade de exibi-los em diversas ocasiões. Recentemente, realizei em conjunto com Rossella Farinotti um documentário sobre arte contemporânea, que foi projectado no PAC em Milão.

Como designas o teu estilo de fotografia?

Variável, em evolução. Os nossos olhos vêem e evoluem com base da nossa própria cultura. Quanto mais o nosso conhecimento, a nossa experiência de vida, a bagagem pessoal e o nosso auto-conhecimento crescem, maiores são as mudanças nos resultados que produzimos. Ainda assim, existe sempre um denominador comum mínimo para tudo o que criamos: a sensibilidade é sempre a nossa, sempre reconhecível até bastante longe no tempo.

Qual foi a tua primeira impressão ao veres e segurares o Sistema de Conversão Neptune Art Lenses?

Fiquei imediatamente impressionado com a leveza e o tamanho da óptica; são semelhantes ás das câmaras de rangefinder de 35mm. Eu também gosto da sua estética, verdadeiramente atraente e bem acabada.

Como é que o Sistema de Conversão Neptune Art Lens System se encaixa no teu estilo?

Adaptei-me de forma super fácil e rápida. Senti imediatamente como se fossem meus: eles desaparecem nas tuas mãos, permitindo que estejas mais concentrado no que pretendes criar.

O que acabaste por realizar?

Eu fiz um filme curto e experimental usando as placas especiais de abertura. Filmei durante toda a noite sem um guião. Não há uma história clara, mas sim sugestões e sensações. Essas ópticas conectam você com a parte mais profunda e mais sensível de sua expressão, a mais espontânea e significativa, onde não há regras a seguir para que você possa mostrar quem você realmente é. Eles se concentram em seus instintos, enquanto o resto permanece agradavelmente.

As fotos foram tiradas em colaboração com o artista Matteo Giuntini. As suas obras foram realizadas em plexiglas transparentes, deixando vislumbrar os rostos sem desvendá-los completamente, criando uma mistura interessante da mensagem pintada e as expressões do objecto. Eu queria disparar num local decadente: um lugar com alma, com muitas coisas para contar. Antigamente este lugar hospedou uma organização de caridade que narra a sua história através do seu processo de desmoronamento. Utilizei os três comprimentos focais do sistema convertível Neptune: 35mm, 50mm e 80mm para aproveitar ao máximo o seu potencial criativo. Para as fotos, usei a minha Canon 5d Mk3.

Como foi a experiência de filmares com o Sistema de Conversão Neptune Art Lens?

Quando realizo vídeos, trabalho sempre com foco manual. E adorei usar o Sistema de Conversão Neptune Art Lens, uma vez que a abertura permanece sempre na mesma posição, mesmo quando se muda a distância focal. Isso também é muito útil para aqueles que trabalham com Follow Focus, caso contrário, precisarás de reorganizar os elementos depois de mudares a objectiva.

Para este vídeo, usei as três distâncias focais e duas placas de abertura especiais para moldar o bokeh. Realmente gosto deste sistema, pois combina surpreendentemente duas características que, para mim, são realmente importantes: a qualidade da imagem e o tamanho compacto, pois são muito fáceis de transportar.

Fiquei realmente surpreso com os seus resultados e com a tridimensionalidade que a objectiva pode produzi - é realmente inesperado. Para o vídeo, usei a objectiva juntamente com a minha câmara Sony A7sII para filmar à noite e a saída é algo além do valor técnico. Neptune ajuda a facilitar as coisas e permite que vás directo ao núcleo do que desejas comunicar através do meio visual.


Se queres ver mais trabalho do Giacomo, por favor visita o seu website e Facebook .

Obrigada especial a Indian Wells por nos terem deixado usar a música In the Streets. Ouve mais em Soundcloud channel e Facebook page.

Escrito por Lomography on 2017-06-19 #pessoas #videos

Artigos ainda mais interessantes